Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Inteligência, sobretudo

por Fábio Santos, em 10.07.13

Inteligente, muito inteligente. É assim que classifico a posição tomada por o Presidente República. Cavaco Silva, ao afirmar que defende uma espécie de governo de “salvação nacional” que inclua os três partidos que assinaram o memorando de entendimento – PSD, PS, CDS – está assim a remeter a batata quente para o PS, e isto porquê? Visto que os socialistas queriam a queda do governo e a consequente marcação de eleições, ficam assim bloqueados com a proposta do presidente, uma vez que estes têm nas suas mãos a queda do governo e as consequências que isto acarreta tais como, uma (nova) crise política, provável subida nos juros da dívida, queda das bolsas, entre outras.

Com tudo isto, o PSD e CDS, creio, não terão outra hipótese que não a total recetividade para uma “coligação” a três, e para fazer todos os possíveis para consensos com o PS. Por outro lado o PS, terá duas opções muito claras. Rejeita veemente esta proposta do presidente, entregando as responsabilidades de novo para Cavaco, que com tudo o que dissertou, não terá outra opção que não seja a dissolução do parlamento. Ao invés, aceita a proposta e inicia o diálogo com o PSD/CDS (e Cavaco Silva) para tentar chegar a um consenso, para consequente criação de um novo governo.

Encontramo-nos num período crucial para o nosso futuro do nosso país. Precisamos de bom senso. Precisamos de pessoas responsáveis. Precisamos de pessoas competentes. Precisamos de pessoas com caracter. Que Portugal teremos daqui a um mês? três meses? um ano?

 

PS: Não sou analista político nem tenho competências para tal, isto é, exclusivamente, um texto de opinião.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:47


3 comentários

De Hugo Ferreira a 10.07.2013 às 23:41

Este governo de "salvação nacional" não irá ser mais que um governo de gestão até novas eleições. Não se vê do lado do PS (nem de outro partido) uma proposta sólida que traga estabilidade social e económica ao nosso país. Todos estes acontecimentos apenas vão contribuir para mais instabilidade, afectando certamente os juros da dívida e levando a mais uma queda da bolsa. Resta também saber como se irão entender os três partidos, e que tipo de mudanças estarão dispostos a fazer. Não há consenso nenhum que melhore a actual situação de Portugal, vamos esperar para ver, mas olhando para os nossos políticos só podemos esperar o pior.
Concordo que este é (mais) um período crucial, mas a irresponsabilidade, a incompetência, os interesses e todo o sistema político que se apresentam apenas nos permitem esperar o pior cenário. Não se trata apenas de uma questão política, mas sim de uma crise em todas as vertentes. Este sistema está em decadência, e não há ninguém que possa dizer o contrário tendo em conta tudo o que temos visto. Que Portugal teremos num futuro próximo? Deixa-me responder-te: maiores dificuldades económicas, desigualdades e convulsões sociais, Teremos um segundo resgate, pois claro, e por aí fora, um 3º e um 4º. Esta é a realidade que nos espera. E se alguém tem esperança que a Europa ajude a resolver o problema, bem pode esperar, pois esta, cada vez menos coesa, encontra-se também incapaz de resolver o que quer que seja.

De Fábio Santos a 11.07.2013 às 14:57

Concordo com quase tudo o que dizes, excepto uma coisa (importante). Pelo teu discurso parece que não existe salvação possível e que tudo isto vai piorar, aconteça o que acontecer, venha quem vier, fale quem falar. Se assim é, o que andamos aqui a fazer? Passar tempo? Não existem problemas impossíveis e mais cedo ou mais tarde, com ou menor dificuldade, eles serão resolvidos.
A verdade é que também não consigo avistar nenhuma solução, mas é por aqui que podemos começar, expondo os nossos pontos de vista, discuti-los (no bom sentido da palavra), para assim podermos chegar a alguma solução.

De Um bloqueiro. a 13.07.2013 às 09:45

Também não sou analista nem tenho competência para tal mas, tenho a sensação que, botar o PS no saco de gatos pretende, prevendo o próximo "tsunami eleitoral" que botará PSD/CDS na "miséria parlamentar", arrastar PS para essa mesma miséria e amarrar os partidos do "arco da governabilidade" (*) uns aos outros. Dado que as diferenças entre os 3 são cosméticas a "gente gira", com eles unidos tem uma chance de continuar na mó de cima. "É preciso que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma". Básicamente, a manutenção da estratificação exagerada da sociedade e a desigualdade de rendimentos.
(*) Noto que o que até há pouco tempo era os partidos do "arco do poder" agora são os partidos do "arco da goovernabilidade". Muito mais fino, convenhamos.

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031



Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D